Windows 8 despencando, Ubuntu agora mirando plataformas móveis


Se vocês têm acompanhado outros blogs e as notícias do mundo Linux (já que eu não tenho postado tanto assim neste blog), vocês devem ter visto como o Ubuntu agora tem se esforçado para trazer o sistema para o mundo móvel. Hoje em dia parece que quase ninguém vive sem celular ou tablet, e o Android é praticamente soberano nas plataformas móveis, junto com o iOS da Apple, que coordena aparelhos como iPod, iPad, iPhone…

Entretanto, a estratégia do criador do Ubuntu é meio arriscada.

Foi numa parceria da Canonical com algumas fabricantes de celular (como a Samsung e seu celular Nexus) que o Ubuntu lançou as primeiras versões “cruas” do Ubuntu Phone, que estão ainda instáveis, mas até que usáveis para celulares.

ubuntu-phone-in-hand1

Ubuntu Phone no Samsung Nexus (Créditos ao site omgubuntu.co.uk)

Não se passou tanto tempo após o anúncio da criação do Sistema para celulares e um gigantesco anúncio aparecia no site Oficial do Ubuntu dizendo: Tick Tock Tablet Time

Em poucas horas, Mark anunciava a expansão do Ubuntu Phone, levando-o para tablets. E na mesma semana, uma Preview do Sistema Operacional foi lançada para download, junto com o código fonte. Este é o vídeo dos tablets:

Ubuntu Tablet

Mas aos meus olhos, as notícias começaram a ficar piores…

Primeiramente, vemos também no site do Ubuntu diversas discussões no site (em inglês) omgubuntu.co.uk sobre uma discussão na Ubuntu Developer Summit sobre o Ubuntu deixar de lançar versões a cada seis meses e mudar para o estilo Rolling Release!

Não é uma má notícia, e também nada está confirmado de que o Ubuntu vá de fato mudar para Rolling Release, foi apenas uma ideia.

Para todos os leigos no assunto, eu vou explicar em detalhes como funciona o lançamento de versões do Ubuntu e como seria no estilo Rolling Release:

O Ubuntu tem seu característico sistema de lançamento de versões a cada seis meses, trazendo sempre inovações e novidades. A primeira versão do Ubuntu foi lançada em Outubro de 2004, e a próxima versão fora lançada em Abril de 2005. As versões sempre são lançadas em Outubro e Abril de cada ano, seguindo o padrão desde 2004 (exceto pela versão 6.06 Dapper Drake, lançada em Junho de 2006 por atrasos e imprevistos… entretanto, a outra versão fora lançada quatro meses depois, em Outubro do mesmo jeito, e continuou no ritmo normal).

Algumas pessoas criticam o Ubuntu por lançar versões em um período tão curto, te obrigando a mudar para as versões mais novas sempre que uma aparece. A verdade é que cada versão do Ubuntu possui um período de suporte oficial, ou seja, aquela versão receberá atualizações de segurança diretamente da Canonical até uma certa data. O período de suporte de cada versão é de pelo menos dois anos após seu lançamento. As versões para servidores, que exigem suporte por mais tempo, tem um período mais estendido.

Entretanto, o Ubuntu também conta com versões Desktop com suporte maior, para maior estabilidade e deixar uma versão com maior suporte que as outras. Tais versões são lançadas a cada dois anos, e possuem um suporte de pelo menos três anos após seu lançamento. São chamadas LTS (Long Term Support, em português: Suporte A Longo Prazo). Existem até agora 4 versões conhecidas como LTS: 6.06 Dapper Drake (2006-2009), 8.04 Hardy Heron (2008-2011), 10.04 Lucid Lynx (2010-2013) e a mais nova 12.04 Precise Pangolin que terá suporte maior que todas as outras LTS. Ela foi lançada em 2012, e seu suporte será estendido até 2017, ou seja, você ainda continuará recebendo atualizações de segurança e poderá usar o Ubuntu 12.04 até 2017 sem problemas. Após esse período, você deverá trocar de sistema ou então trocar as fontes de qual vêm suas atualizações de segurança.

E, como funciona o sistema de Rolling Release?

Bom, é simples explicar, pois várias distribuições adotam o sistema. Um grande exemplo é a distro Arch Linux. Como esse sistema é diferente do sistema comum de versões? É simples… Esse sistema praticamente tem infinitas versões…

O sistema de Rolling Release funciona assim: Os desenvolvedores Ubuntu disponibilizam no site uma imagem de disco (.iso) para que as pessoas possam baixar e instalar o sistema. O sistema assim que instalado busca atualizações de segurança e de programas mais novos… E isso nunca para. Você pode atualizar seus programas num dia e no outro você tem mais atualizações pra fazer de outros programas. Ou seja, seu sistema está em constante mudança, está em constante atualização.

E, basicamente, sempre que há um grande número de pacotes atualizados, os desenvolvedores do Ubuntu disponibilizam uma nova .iso mais atualizada com os pacotes mais novos. E assim vai.

É assim que o Rolling Release funciona. Você nunca fica pra trás nas atualizações mais novas porém menos estáveis. Não é necessário esperar um ciclo de seis meses. Pode ser em uma semana, dois dias, três meses… Há sempre uma versão mais nova, e nem por isso o seu sistema vai ser conhecido como uma nova versão.

É uma grande diferença mudar para Rolling Release, que tem esse nome justamente porque o lançamento está sempre “rolando”, ainda mais com um sistema conhecido por suas versões a cada 6 meses.

Os prós do Rolling Release são justamente de que você nunca ficará para trás com atualizações. Entretanto, há alguns contras:

  1. Conexão com a internet pode limitar a pessoa de baixar as atualizações contínuas
  2. Programas, mesmo que mais atualizados, podem não ser tão estáveis quanto versões mais velhas, justamente por serem bem novos
  3. Tais instabilidades podem servidores, que exigem plataformas mais estáveis se quiserem continuar funcionando, e não precisarem reiniciar com frequência para aplicar certas atualizações
  4. Rolling Releases podem trazer bugs indesejados pela falta de tempo dos desenvolvedores em testar códigos mais novos

Há também os prós de versões fixas como o sistema atual é, que é justamente o tempo que se tem para poder trabalhar na estabilidade e apresentar novidades de um modo mais súbito. Os contras são:

  1. Alguns programas podem ficar ultrapassados e podem não funcionar tão bem quanto versões mais novas
  2. Você certamente perderá diversos programas mais novos porque o Ubuntu não atualiza todos os programas para você

Claro, nada está definido se o Ubuntu vai ou não mudar para o sistema mais novo de Rolling Release…

Mas continuando com a matéria e as notícias que eu vi, algumas não foram realmente tão agradáveis.

A próxima notícia foi de que a Canonical estava trabalhando em um novo Unity, que batizaram de Unity Next. Unity, para aqueles que não acompanham, é a interface gráfica que acompanha as versões tradicionais do Ubuntu (o painel da esquerda e etc.). Segundo a Canonical, o novo Unity Next será desenvolvido na linguagem Qt, a mesma usada para desenvolver o KDE e as aplicações Plasma, para garantir uma maior integração e adaptar-se às versões móveis do Ubuntu.

Isso mostra claramente os objetivos da Canonical: tornar o Ubuntu e o Ubuntu Phone o mesmo sistema….

O Unity Next seria uma forma de adaptar o Unity tanto para celulares, tablets quanto para PCs. Seria utilizar o mesmo código nos dois sistemas. E este é o plano da Canonical. Eles não pretendem desenvolver sistemas separados, mas sim unir todos em um mesmo código, compartilhar o mesmo código em todos os aparelhos eletrônicos….

E isso me lembra um certo fracasso….

 

w8

Sim! Ele de novo, minha gente! O Windows 8!

O Sistema Multiplataforma da Microsoft! Aquele que compartilha o mesmo código em todos os aparelhos que roda e que… é um FRACASSO.

Eu já dizia do meu desgosto pelo novo Windows 8, e já me expressei contra tal estratégia ridícula da gigante monopolista (não só eu, como também diversos donos de diversas empresas no mundo todo (fabricantes de PCs como HP, Dell, Samsung, Sony, Acer já declararam que o Windows 8 não tem dado o retorno esperado)), e agora os números comprovam. Em seus primeiros 4 meses no mercado, o Windows 8 conseguiu falhar pior ainda do que o VISTA!

O Windows Vista, o sucessor do Windows XP, que fez barulho na mídia por seu fraco desempenho em computadores que rodavam Windows XP e que chamava atenção por seu irritante sistema de permissões, conseguiu ultrapassar o Windows 8 em vendas num mesmo período….

O Windows 8 chegou a vender 60 milhões de cópias… Parece ser bastante, mas de acordo com pesquisas recentes, apenas 2,6% dos aparelhos do mundo rodam o novo e ridículo sistema, em 4 meses após o lançamento. E olha o detalhe: o Windows 8 está disponível não só para Computadores, mas também para tablets e celulares!

O Vista, após 4 meses de seu lançamento, tinha 4% do mercado, e ele só rodava em PCs!

Pode parecer cedo para decidir o que o Windows 8 é, mas até mesmo o Bill Gates declarou que a Microsoft cometeu erros em estratégias móveis…

Sim, eu adoro cutucar a Microsoft! Acho que é bom ver uma vez alguma empresa gigante tomando na cara por ações idiotas… Eu já digo que o Windows 8 é um fracasso com 4 meses após, e também posso quebrar minha cara daqui a algum tempo, se essa coisa conseguir trazer uma reviravolta… Mas a Microsoft disse que pretende lançar já o SUCESSOR DO WINDOWS 8….

E vão cobrar por ele!! O WINDOWS BLUE! Que nada mais será do que apenas um Windows 8 “aprimorado”…. Ou seja, querem te fazer de palhaço de qualquer jeito!

Com tais rumores do Windows Blue, quem iria querer comprar o Windows 8 sabendo que o novo sistema poderia substituí-lo a qualquer momento? Além disso, a Microsoft se encontra em situação complicada, já que os preços altos do Windows 8 estão trazendo problemas…

 

Mas o que isso tem a ver com Ubuntu? TUDO!

Vocês não perceberam?

Windows 8 já tentou a mesma estratégia que Mark Shuttleworth planeja: fazer do Ubuntu e Ubuntu Phone um sistema só, para rodar em todos os aparelhos… E o que aconteceu com o Windows 8 até agora?

Apenas torçam, amigos, para que o Ubuntu não se torne tão infantil e ridículo quanto é o Windows 8… Torçam para que o Sistema que amamos e respeitamos continue sendo amado e respeitado no futuro…

Ou então a Canonical se verá em uma situação muito complicada…