Sobre Linux: Parte I (Introdução)


Estava olhando coisas antigas do blog e dando uma olhada no Linux Mint 14, quando me lembrei de quando eu era bem iniciante em Linux e tentava instalar o Ubuntu em meu computador, e como fiz diversas pesquisas para tirar minhas dúvidas. Já tive muitas experiências de instalação e desinstalação de Linuxes porque eu acho o processo de instalação divertido, e eu procuro testar muitas distribuições para saber como é e aprender mais sobre Linux.ubuntu-logo14

Estive pensando que muitas pessoas neste momento estão fazendo a mesma coisa que eu fiz no início: procurando por mais informações sobre este misterioso sistema Linux que um dia lhe foi apresentado misteriosamente. E antes de mais nada, vamos esclarecer as dúvidas mais comuns.

O que é Linux?

Uma breve história do Linux

Tecnicamente, o nome oficial é GNU/Linux (e toda a explicação oficial sobre o motivo do nome está no site oficial do projeto GNU, que é sempre bom dar uma passada e entender um pouco mais sobre a história de todo o projeto: aqui.)

220px-Tux

Linux é um software, ou seja, um programa de computador criado pelo programador finlandês Linus Torvalds (Sim, foi de seu nome que o nome Linux surgiu, e isso não é narcisismo!) em meados dos anos de 1990, criado puramente por diversão, como um hobby do programador, quando ele ainda estava na faculdade. O projeto ganhou força nos anos seguintes, quando Linus anunciou  o software na rede (não era bem a internet, porque ela não existia como conhecemos naquela época) e disse que aceitava qualquer ajuda possível no desenvolvimento. Ele conseguiu bastante ajuda e o projeto cresceu bastante, hoje se tornando um dos maiores projetos de código aberto do mundo (já vou explicar o que é código aberto!)

O Linux por si só e definido como o coração do sistema, algo que em inglês é conhecido como kernel, que seria núcleo em português. O que o Linux faz é se comunicar diretamente com o hardware, ou seja, o aparelho físico e traduzir em informações. É no kernel onde se encontram os tão famosos drivers, que são programas específicos com instruções de como fazer certo hardware funcionar. (Só algo para lembrar das diferenças entre software e hardware: Software é aquilo que você xinga quando trava, e hardware é aquilo que você soca)

gerwinski-gnu-head

Enquanto isso, por volta dos anos de 1980, antes do Linux existir, o projeto GNU surgia, liderado pelo famoso entusiasta do Software Livre (já vou explicar também), Richard Stallman. A ideia principal de Stallman era fazer com que o computador fosse uma plataforma aberta, algo que não impedisse nenhum programador de entender como um certo programa funcionava, que permitisse programadores pudessem modificar um programa de código aberto do jeito que bem entendessem. E com tal ideia, ele resolveu juntar uma equipe e criou um SISTEMA OPERACIONAL, que é justamente aquilo que faz o computador na sua frente funcionar tão bem. Sem um sistema operacional, um computador não tem o que fazer, não tem cálculos a cumprir… Ele necessita de um para transformar dados e cálculos em informações visíveis. Exemplos de Sistema Operacional? Windows!

Outros? Então tá, lá vai: Mac OS X (criado pela Apple e presente em todos os produtos Mac (Macbooks, iMacs)), iOS (também criado pela Apple, e utilizado nos iPhones e iPads e iPods), BeOS (Criado pela Be Inc.; Já não existe mais, mas foi criado para competir com Mac OS), OS/2 (Criado numa parceria entre IBM e Microsoft, mas a Microsoft decidiu trair a IBM e continuou com um projeto ambicioso de Sistema Operacional baseado no MS-DOS, que mais tarde ficou conhecido como Windows), Haiku OS (Sistema atualmente em desenvolvimento, buscando trazer o BeOS de volta!)… Pra ficar mais curto o post: Amiga OS, ReactOS, ANDROID, Ubuntu, Fedora, Debian, Slackware, Arch Linux, Chakra Linux…….

Enfim, no mundo inteiro temos milhares de milhões de sistemas operacionais e eu só citei menos de 0,001% dos existentes! A cada dia novos sistemas podem ser criados.

Mas enfim, o que aconteceu foi que o projeto GNU começou com um sistema operacional e uma série de projetos e programas que fariam parte do sistema. O objetivo do GNU era ser um sistema operacional livre e gratuito e compatível com um sistema operacional muito popular na época conhecido como: UNIX, que influenciou milhares de sistemas operacionais e ainda influencia até hoje. O UNIX era um sistema proprietário, ou seja, a empresa que o desenvolvia cobrava pelo sistema. Era notável por sua segurança inigualável e flexibilidade…

E foi justamente nisso que o Projeto GNU mirou. Eles buscavam fazer algo compatível, mas que ainda assim fosse mais flexível que o UNIX, e por isso o Acrônimo de GNU é: GNU Não é UNIX. No fim, eles conseguiram fazer diversos programas e estavam finalizando o sistema em si…. Mas eles não tinham um núcleo! E um Sistema Operacional sem núcleo é inútil…

Eles começaram a desenvolver seu próprio Núcleo, conhecido como HURD, que está em desenvolvimento até hoje. Mas aí eles ouviram falar do núcleo sendo desenvolvido pelo jovem estudante Linus Torvalds, e resolveram ajudá-lo. E em um acordo amigável, o GNU tornou-se o sistema operacional para o núcleo do Linux, após diversos reajustes no código do sistema em si… Por isso GNU/Linux

Tá, mas o que é Linux então?

Vamos então chamar o GNU/Linux apenas de Linux para ser mais convenientes. Linux nada mais é do que um sistema operacional.

Qual a diferença do Linux para os outros sistemas operacionais?

Antes de realmente chegar na sua pergunta, vamos responder duas coisas que eu deixei de explicar anteriormente:

O que é código aberto, software livre e software proprietário?

Vamos fazer uma pequena analogia entre software e receita de bolo, que acho esta uma das melhores analogias para explicar o que é cada coisa.

Imagine que você seja um cozinheiro de renome, um verdadeiro chef! Na sua vida você já fez diversos bolos, leu muitas receitas de bolo, decorou diversas delas e sabe de cor o que você precisa ter para fazer um bolo. Agora imagine que você enfrenta tempos difíceis no seu restaurante, e para piorar, você está com grandes riscos de vida, e seus maravilhosos bolos podem nunca mais ser saboreados por ninguém.

Chef-Hans-1

Mas você gosta sempre de manter sua receita secreta, e odiaria que alguém descobrisse como fazer seu bolo. Isso te arruinaria! Mas seu restaurante está em perigo, e sua vida também. As suas receitas morrerão com você.

Neste caso, manter uma receita secreta, que só você sabe como fazer, estamos falando de software proprietário, onde o código de um programa, que nada mais é do que uma “receita”, está sendo mantido em segredo. O código de um software é algo que uma vez foi escrito (sim, escrito!) por um programador. Este programador escreve os códigos em uma linguagem que o computador entenda, a chamada Linguagem de Programação, e tudo o que está escrito ali é traduzido pelo computador como informação. Mas um programa executável não possui todos os códigos à mostra o tempo todo, e é por isso que a gente não pode saber quais são os códigos que fazem aquele programa funcionar. É como um bolo. Você vê um bolo grande e bonito, mas se não tiver nenhuma ideia de como cozinhar, jamais saberá como fazer um bolo daqueles. Não dá simplesmente pra pegar um bolo e dizer: Ah, isso é feito de quatro ovos, Dois copos leite, Meia colher de açúcar, 2 copos de farinha e etc… Você pode ir provando o bolo aos poucos e deduzindo do que aquilo é feito, mas nem sempre você vai estar certo.

Num software, o mesmo acontece. Você pode ter um programa de CÓDIGO FECHADO, o que chamamos de software proprietário, mas você não tem como saber os códigos contidos naquele programa.

Voltando à analogia do chef, vamos agora supor que você está prestes a morrer, e seu restaurante fechou há alguns dias. Você guarda suas receitas em um cofre que só você sabe a combinação. Ninguém mais poderia fazer os mesmos bolos que você. Só você sabe todos os segredos. E você resolve que a tradição de seus bolos deve continuar, eles não podem morrer assim.

Você chama seu único filho e conta a ele a combinação para o cofre, e lhe implora que continue a tradição da família, continue fazendo bolos com aquelas receitas, e que abra um novo restaurante.

Mas seu filho é uma negação na cozinha e pretende seguir para um ramo completamente diferente daquele que você desejaria. Você acaba falecendo alguns dias depois, mas seu filho continua com as receitas e não sabe o que fazer. Ele não sabe se deve continuar o trabalho de seu pai ou se deve seguir seu próprio caminho. Ele entende que aquilo era muito importante para você, mas ele não quer abrir mão de seu trabalho.

E então ele resolve fazer o improvável: ele divulga as receitas de seus bolos secretos na internet, para que alguém pudesse continuar sua tradição, e para que os bolos pudessem se multiplicar pelo mundo.

Pessoas que antes só podiam saborear tais receitas indo a um restaurante agora podem simplesmente fazer seu bolo secreto em suas casas! E algumas pessoas resolvem modificar um pouco a receita, para deixar o bolo mais consistente…

E é exatamente assim que funciona um software livre, um software de código aberto. Exatamente o contrário de um software proprietário/código fechado, você é capaz de ver como aquele software funciona dando uma olhada no seu código/receita. Você mesmo pode fazer em sua casa e modificá-lo como quiser. É só ir experimentando.

Então isso quer dizer que software livre é software gratuito?

Sim e não. É um assunto meio complicado de explicar, e sugiro uma leitura mais específica neste caso. O site do Debian, uma das maiores distribuições Linux do mundo, tem um artigo falando especificamente disso.

E o que é distribuição Linux?

Como o GNU/Linux é um software de Código Aberto, qualquer pessoa que entenda a linguagem de programação em que o software foi escrito pode simplesmente fazer sua própria versão, com mudanças mínimas ou notáveis na “receita”/código do programa. E tal versão é conhecida como distribuição, porque ela é uma variação do GNU/Linux original.

E o Ubuntu?

O Ubuntu é uma das distribuições Linux mais famosas do mundo. Criado pelo sul-africano Mark Shuttleworth, o Ubuntu certamente foi um marco para revolucionar o Linux, tornando-o cada vez mais intuitivo para iniciantes em computador, e cada vez mais simples de se usar. Por causa da simplicidade do ubuntu, muitos usuários Linux conservadores criticam a distribuição, pois creem que Linux é para experts em computação e programadores.

O Ubuntu tem como objetivo ser uma distribuição simples e gratuita, como a maioria das distribuições GNU/Linux é! A proposta é fazer algo simples, rápido, estável e seguro.

Peraí! Você disse gratuita? Como assim? É sério isso?

Sim! Você não leu errado. Eu disse gratuita e eu realmente quero dizer gratuita.

O Ubuntu, por exemplo, tem seu próprio website oficial: www.ubuntu.com E de lá mesmo você pode baixar uma versão OFICIAL do Ubuntu, sem custo nenhum. Se quiser baixar, só clicar aqui.

O Fedora, outra distribuição GNU/Linux, parte do mesmo princípio. E olha uma coisa interessante, o Fedora é uma distribuição baseada no Red Hat Enterprise Linux, uma versão Linux desenvolvida para empresas e corporações, e a Red Hat é uma versão paga e específica. Sim. Red Hat é PAGA! Mas o Fedora é 100% gratuito, e ainda por cima recebe apoio da empresa desenvolvedora do Red Hat Enterprise Linux!

Para baixar o Fedora: http://fedoraproject.org/pt_BR/get-fedora

E antes que alguém venha com alguma piada entre Fedora e Fedor, saiba que o nome é uma brincadeira com Red Hat, que em significa Chapéu Vermelho em português. Fedora é um tipo de chapéu também:

fedora_hats

Como é que certas distribuições podem ser gratuitas? Como assim? Isso aí não custa dinheiro?

Mais uma vez, eu recomendo uma leitura específica de um website específico de uma distribuição também 100% gratuita, a Debian: http://www.debian.org/intro/about#free, http://www.debian.org/intro/about#CD, http://www.debian.org/intro/about#disbelief

Ainda não estou tão convencido assim sobre este negócio de Linux… O que é tão bom assim?

Bom, se não está convencido pelo sistema ser gratuito, e tudo mais. Eu recomendo que você baixe o sistema, e TESTE-O.

Mas como eu vou testar? Eu vou ter que apagar tudo do meu HD!

Não. O Linux é uma maravilha e surgiu com um conceito inovador há anos atrás, que pouquíssimos sistemas adotaram. O Windows não possui tão opção maravilhosa.

Diversas distribuições Linux adotaram o sistema de LIVE CD, que quer dizer que você pode executar o Sistema completamente operacional à partir de um CD ou DVD ou até mesmo um Pendrive. Você pode testar o sistema sem nem mesmo tocar no seu HD. E se gostar do que você viu, alguns oferecem a opção de instalação direto do desktop.

Além disso, também é possível INSTALAR o Linux em um Pendrive e levá-lo com você para onde quiser.

E como eu faço isso tudo que você falou?

Bom, após esta grande introdução, e explicações para todos os iniciantes, eu quero dizer adoraria fazer um post gigantesco explicando tudo sobre como instalar Linux Ubuntu passo a passo, respondendo a todas as perguntas possíveis e fazendo você compreender completamente, mas eu não consigo em um post só, e precisarei dividir, já que um post longo e repleto de imagens sobrecarregaria a internet de muitos aqui. Este post será apenas a introdução a tudo.

Mas, por enquanto que estou trabalhando nas outras partes, veja mais leituras para te convencer sobre Linux:

http://whylinuxisbetter.net/index_br.php?lang=br Por que Linux é melhor?Um website muito bom que pode esclarecer muitas dúvidas sobre o Linux. Eu até dei uma ajudinha na tradução das páginas do site. Ainda há algumas páginas faltando tradução, mas no mais é uma ótima fonte de informações sobre Linux.

http://www.debian.org/intro/about Eu citei o site do Debian o post inteiro, e acho que vale a pena dar uma olhada no projeto Debian e no site em si e em toda a documentação para que você possa se informar mais.

O site oficial do Ubuntu todo em inglês também é uma ótima fonte de informações. Há também o portal brasileiro de Ubuntu e o fórum oficial do Ubuntu na língua portuguesa, caso queira tirar suas dúvidas, basta criar sua conta lá (é rápido, fácil e gratuito) e não se esquecer de ler as regras de conduta do fórum: http://ubuntuforum-br.org/index.php?action=rules

Há também o site do Ubuntu em Português de Portugal.

O Site do Fedora também é ótimo como fonte de informações sobre Linux.

Leia também posts mais antigos deste blog, procurando em seções como: https://livrelinux.wordpress.com/category/gnulinux/

https://livrelinux.wordpress.com/category/ubuntu/

https://livrelinux.wordpress.com/category/software-livre/

Temos o portal brasileiro de Linux, que sempre tem notícias do mundo da tecnologia e Linux em geral.

E há também uma distribuição Linux brasileira que é bem interessante e visa ser parecida com o Windows. É baseada no Ubuntu e eu recomendo darem uma passada lá: http://www.linuxkduxp.com/

Qualquer dúvida perguntem no fórum oficial da distribuição Linux KDuXP.

E o Wikipédia também é uma fonte confiável de informações sobre Linux.

Unity 8 e o novo Mir


Meus pesadelos mais obscuros estão prestes a se tornar realidade, e coisas que tanto critiquei agora farão parte de algo que tanto defendi.

O Windows 8 foi recebido com muitas críticas mistas, e até hoje não conseguiu abocanhar mais de 4% do mercado de aparelhos eletrônicos. E mesmo assim, a lição não foi aprendida por uma das empresas que mais admiro no mundo Linux, a Canonical, mantenedora do Ubuntu Linux. Muita das ações da Canonical eu já critiquei, como a mudança repentina para o Unity, que era muito instável na época, e quando a interface se estabilizou, eu fiquei um pouco mais flexível à mudança.

Mas desta vez, a Canonical introduziu o Unity Next… E está fazendo justamente o que eu mais temia… Segue aí um vídeo do Unity Next rodando sobre a nova plataforma conhecida Mir em que a Canonical está trabalhando.

Antes de mais nada, deixe-me explicar para os iniciantes do que é que eu estou falando, pra todos aqueles que viram o vídeo e não entenderam.

Por muitos anos, o Ubuntu utilizou uma interface gráfica conhecida como GNOME.

Suas variações, Kubuntu, Xubuntu, utilizavam interfaces diferentes (KDE e XFCE, respectivamente), mas isso não vem ao caso.

No ano de 2010, o GNOME passou por uma mudança drástica, que trouxe muitas críticas e desconfianças sobre a nova interface, conhecida como GNOME-Shell, ou GNOME 3.

hardy-heron1

GNOME 2, o GNOME presente nas versões 4.10 e 10.10 do Ubuntu

gnome-3-8

GNOME 3, ou GNOME Shell, o novo GNOME

A nova interface trouxe muita desconfiança, e a Canonical se pronunciou oficialmente, dizendo que estava quebrando as relações com o projeto GNOME. E com isso, o Ubuntu não estaria com o GNOME 2, nem GNOME 3. Eles fizeram um fork do GNOME, baseando-se num projeto que eles já usavam nas versões Ubuntu Netbook: o Unity.

No começo, o Unity utilizava boa parte do código do GNOME, e mais tarde se tornou uma interface gráfica independente.

11.04

Unity fazendo estreia como interface padrão no Ubuntu 11.04

12-04

Unity no Ubuntu 12.04

Eu comecei bastante desconfiado do Unity quando a versão 11.04 lançou, até fiz um post de primeiras impressões: https://livrelinux.wordpress.com/2011/04/29/primeiras-impressoes-ubuntu-11-04-natty-narwhal/

E também um pouco desconfiado no Ubuntu 11.10: https://livrelinux.wordpress.com/2011/10/15/ubuntu-11-10-review/

E finalmente cedi ao Ubuntu 12.04: https://livrelinux.wordpress.com/2012/04/23/novo-ubuntu-12-04-beta-2/

E há alguns dias atrás eu fiz um post sobre o paralelo entre Ubuntu e Windows 8: https://livrelinux.wordpress.com/2013/03/07/windows-8-despencando-ubuntu-agora-mirando-plataformas-moveis/

E com o vídeo do Unity Next e Mir, meus pesadelos viraram realidade.

Por quê? Oras! Simplesmente deem uma olhada em meu último post: Eu sou um Windows H8ter

Qual é a diferença entre o novo Unity Next e o Estilo Metro do Windows 8?

O Ubuntu está seguindo o mesmo caminho do fracasso que é o Windows 8. Eu sei que o Windows 8 não presta. Eu já usei… E eu não quero ter que dizer o mesmo do Ubuntu…

E antes de terminar o post, eu queria dar uma explicação rápida do que é o Mir de que eu falei no post, sendo que ninguém realmente percebeu o que eu quero dizer com isso. Bem, jovens gafanhotos, o Linux funciona em modo gráfico justamente porque existe um software que o permite existir em modo gráfico, e este software não é o Unity.

O Unity é a interface gráfica, e a interface gráfica sozinha não se comunica com o hardware, ele necessita de uma ajuda especial… Quem faz isso, no caso de muitos Linuxes, é um programa conhecido como X Window System (conhecido popularmente como X11 ou simplesmente X).

Mas de onde vem o Mir que você tanto fala?

Bem, como tudo no mundo Linux, há sempre uma alternativa para diversos softwares. Há quem diga que o X já não é mais tão poderoso, e vem apresentando diversos problemas, e é necessário trocá-lo. E diversas alternativas surgem, como o Wayland, que estava cotado para integrar o Ubuntu 12.04, 12.10 e até mesmo a versão 13.04. Mas o bom e velho X11 continuou. A Canonical disse que o Wayland ainda não estava maduro o suficiente, e decidiu botar a mão na massa.

Em vez de esperar pelo Wayland, eles decidiram criar seu próprio sistema gráfico, conhecido como Mir. Ao que me parece, o sistema está bem estável e funcional, como mostra o vídeo, mas mesmo assim, o Unity NEXT parece estragar toda a experiência.

Me parece que no futuro eu caminharei para o Kubuntu, ou então caminharei para mais um momento de “eu estava enganado sobre tudo aquilo que um dia escrevi…”

Fazer o que, né?

É a vida.

Eu sou um Windows H8er


Acho que não teve um post meu que eu não falasse exclusivamente do Windows…

 

E não vai ser hoje que vou falar só dele não…

 

Mas vamos começar desde o princípio, certamente para esclarecer algumas coisas e deixar alguns Windows Lovers sem alguns argumentos óbvios se estes desejarem me atacar.

Eu nasci e cresci usando Windows. Usei durante quase minha vida inteira o sistema operacional da Microsoft, e eu tinha uma extrema aversão ao Linux, porque para mim o Linux era nada mais nada menos do que uma cópia malfeita do Windows, e, cá entre nós, eu não sou muito fã de cópias. Mas quando eu era menor eu não tinha a menor ideia do que realmente era Linux, e só ouvia comentários maldosos de pessoas dizendo que usaram Linux no passado e que era muito complicado e não valia a pena.

Tive amigos de internet que me mandaram screenshots de seus desktops com Linux (distro Satux) e eu vi que aquele desktop era muito parecido com o do Windows, mas tinha muitos detalhes mal copiados, e eu criava uma raiva do Linux por tentar ser o sistema da Microsoft.

Foi numa conversa utilizando o agora falecido Messenger da Microsoft (olha que ironia) que fui apresentado ao Linux. Um amigo meu simplesmente resolveu me apresentar a um sistema operacional que não tinha vírus e que era gratuito. O argumento: “não tem vírus” fazia minha cabeça explodir! Como isso era possível? Um sistema operacional sem vírus? Como assim?

Ele me mostrou uma screenshot parecida com esta aqui:

hardy-heron1E por qualquer que seja o motivo, eu fiquei interessado naquele “misterioso sistema gratuito sem vírus”.

Ele me mandou o nome… Um nome estranho, que eu achei engraçado na hora… Ubuntu, que à primeira vista eu li como se fosse Ubuntú, e mais tarde descobri que o correto seria Ubúntu.

Eu entrei no website brasileiro do misterioso Ubuntu, cujo ele havia me enviado o link, e lá eu li uma das coisas que mais temia: “… Ubuntu é uma distribuição Linux…”. À primeira vista eu não entendi bem o que isso significava… “Distribuição Linux”, mas que raios é isso? Linux não é só um sistema operacional?

Papai Google me ajudou em minha pesquisa, e eu acabei descobrindo a verdade. O Linux era um núcleo, e o conjunto de pacotes formava uma distribuição, um sistema à parte. O tal do Ubuntu era só mais um dos tantos pacotes Linux que haviam no mundo.

Eu baixei a versão 8.10 do Ubuntu, para que eu pudesse testá-lo pela primeira vez… E me encantei! Instalei através do Wubi, e raramente logava no Windows…..

Até que os jogos voltaram…

Houve uma certa explosão de jogos nos últimos tempos e a popularização em massa das lojas de jogos virtuais feitos para Computador. E desde minha infância eu sou fã de jogos… E dependo deles… Afinal, eles são basicamente “minha profissão” (não oficialmente ainda, mas estamos trabalhando nisso…)

O SO líder de mercado e o qual os jogos se voltam completamente é, por culpa de um destino amaldiçoado, o Sistema da Microsoft……. E por isso dependo dele…. de certa forma…

A STEAM já chegou no Linux (por favor, me diga que você SABE o que é STEAM), e com ela chegou Counter Strike Source (que eu já tenho, por falar) e mais outros 50 jogos, e mais vêm sendo portados em massa para a plataforma do Pinguim… Mas certos jogos que eu gosto ainda não foram oficialmente portados e têm uma perda de desempenho significativa no Wine ou então não rodam nesta magnífica ferramenta…

E é por isso que, temporariamente, eu necessito do Windows……. até o Pinguim conseguir abocanhar de vez este mercado.

 

Uma introdução um tanto longa para o ponto principal deste post, mas vamos ao que realmente interessa…

Há alguns posts atrás eu cheguei a dizer de um certo notebook Dell que eu havia ganhado e tal… pois bem… O pobre ser que vos escreve teve a grande infelicidade de tropeçar no cabo de força enquanto o notebook estava carregando em cima de uma mesa. O resultado? O notebook nunca mais foi o mesmo.

Duas tentativas se foram de tentar consertar o notebook utilizando a garantia, e foram um tanto quanto fracassadas. O notebook funcionou por algum tempo, até que você resolve levá-lo para algum lugar, e depois ele simplesmente se recusa a funcionar.

O jeito é, infelizmente, comprar um computador novo.

E eu o fiz. Comprei um novo notebook, desta vez da Lenovo…

Mas estamos em tempos infelizes no mercado de computadores, jovens padawans, em muitas lojas de computadores você não consegue encontrar Linuxes, e nem mesmo Windows 7 para nos salvar do terror que é….. o Windows 8…..

Bleeeergh… Esse nome me dá desgosto, me dá calafrios, de tão terrível que é o sistema!

Sim… Eu acabei sendo obrigado a comprar um notebook com o sistema horrível da Microsoft! Eu perguntei a todo o custo se o pessoal da loja poderia remover o Windows 8 antes da compra, ou se podiam fazer downgrade antes de me vender esta praga, mas eles disseram que não, que eu deveria fazer o downgrade sozinho ou com a ajuda de um técnico… Eles só vendiam aquele tipo de notebook com o Windows 8… E eu tive de aceitar…

Resolvi dar a ele uma chance… Uma singela chance… Será que o Windows 8 consegue ser tão ruim quanto meus testes me mostraram? Será que ele ainda consegue me convencer que há alguma coisa que preste neste sistema horroroso?

Felizmente, eu não me provei errado, e minha teimosia de comprar um notebook com Windows 8 (embora o notebook seja ótimo) tem se mostrado uma grande experiência até agora… Grande experiência porque agora eu tenho realmente certeza de que o Windows 8 não presta para nada.

Muito simples. Eu liguei o computador pela primeira vez e fui recebido com um “Hi”… e logo em seguida, fui convidado a configurar primeiramente o Windows 8… processo entediante e demorado, e enquanto tudo configurava, eles me mostravam algumas das novidades do Windows 8….

A tela inicial do Metro, aqueles “tiles”…. AAAAAAAArgh, eu quase morri quando vi a feiura, quando simplesmente me toquei no que estava fazendo… O colorido, o circo…. bleergh… mas vamos lá….

Skype instalado por padrão… mas não estava funcionando até fazer um update…. E para a minha infelicidade, o Skype não está disponível no modo desktop, apenas no modo ridículo do Metro…

Dividir a tela entre Desktop e o Metro não é prático, e os atalhos não são fáceis… O botão Iniciar faz muuuuuuuuuuuuuita falta, embora não seja só isso que enfraqueça o Windows 8.

INTERNET EXPLOOOOOREEER AAAAAAAhHHH! Eu tive de utilizá-lo, mas não foi minha culpa!! Era o único jeito para baixar o Mozilla Firefox que, graças a Deus, está só disponível na versão Desktop!

A junção entre Desktop e Metro certas horas não é legal, é terrível, e há certas coisas que realmente irritam. Eu também andei tendo problemas com o Wifi. Lendo na internet acabei descobrindo que o Windows 8 é quem está causando tais problemas neste notebook e fui aconselhado a baixar um programa de gerenciamento feito para Windows 7… mas não deu certo mesmo assim… Está funcionando agora, mas de vez em quando dá certos problemas…

E eu finalmente tentei o motivo principal pelo qual eu ainda uso Windows: jogos! E especialmente aqueles jogos que não têm para Linux….

E utilizei também uma loja que não tem no Linux: a Origin, a loja da EA. E dela eu baixei o FIFA 13, um dos meus jogos prediletos, e tentei executá-lo………

E….

Ele não está rodando no Windows 8 nem em modo de Compatibilidade….

 

 

Chega… cansei de Windows 8………