Sobre Linux: Parte II (Diferenças)

obs.: Se você não leu a Parte I, recomendo que clique neste link e leia.

obs².: Já tem algum tempo que não posto no blog, e esse post está há muito tempo como rascunho para terminar, e enfim criei vergonha na cara para terminá-lo. Não há desculpas esfarrapadas para a falta de posts, apenas que este blog é um pequeno hobby meu, e às vezes não sinto vontade de postar nada. 😉 Mas tenho notado que as visualizações diárias do blog estão crescendo consideravelmente, portanto eu quero postar frequentemente aqui e satisfazer os leitores 🙂

gnu-linux

No último Post “Sobre Linux” eu esqueci de responder sobre as diferenças entre as distribuições GNU/Linux e os outros sistemas operacionais. Pois bem, vamos a elas.

O GNU/Linux é de Código Aberto

Na Parte I eu também expliquei o que é código aberto e as diferenças entre ele e código fechado, recomendo que leiam.

Mas, sim, a esmagadora maioria das distribuições GNU/Linux são de código aberto. Eu não conheço uma que não seja. Acho que mesmo as distribuições pagas são de código aberto. Como isso é possível? Não tenho certeza, mas acho que distribuições como a Red Hat Enterprise Linux também vendem o código da distribuição para certas empresas.

Bom, mas a maioria das distribuições, fora essas especiais, são 100% gratuitas, como é o caso de Debian, Fedora, Linux MInt, Ubuntu, Arch Linux, Slackware, OpenSUSE, CentOS, dentre muitas outras.

Mas como é possível que elas sejam gratuitas?

Outra coisa que eu linkei na última parte, mas eu decidi explicar melhor desta vez.

Bom, acontece que o GNU/Linux foi licenciado através da GNU GPL (GNU General Public License) ou Licença Geral ao Público do GNU (em tradução livre), e essa licença possui 4 liberdades:

0 – A liberdade de executar o programa, para qualquer propósito

1 – A liberdade de estudar como o programa funciona e adaptá-lo para as suas necessidades. O acesso ao código-fonte é um pré-requisito para esta liberdade.

2 – A liberdade de redistribuir cópias de modo que você possa ajudar ao seu próximo

3 – A liberdade de aperfeiçoar o programa, e liberar os seus aperfeiçoamentos, de modo que toda a comunidade se beneficie deles. O acesso ao código-fonte é um pré-requisito para esta liberdade.

(Notem que as liberdades são enumeradas a partir da número zero. O motivo disso? Eu não sei, mas acredito que seja pela natureza nerd dos escritores dessas liberdades)

gerwinski-gnu-head

Símbolo do Projeto GNU

Tá, mas o que são licenças?

Ah! Excelente pergunta!

Bom, para explicar o que é licença, vamos fazer mais uma analogia.

Suponhamos por um momento que você seja um artista renomado, um grande pintor! E, então, um dia, você simplesmente resolve pintar um quadro por pura inspiração, e acaba pintando isso daqui:

monalisaErmm… Sim, você resolveu pintar a Mona Lisa…. Bem, vamos supor que esse quadro nunca tinha sido pintado antes. Você é o verdadeiro criador de um dos quadros mais famosos do mundo. Ora, então você se torna um dos artistas mais famosos do mundo, e este, um dos quadros mais caros da história. Você fez muito dinheiro com isso!

Agora, vamos supor que alguém simplesmente decida pintar um quadro quase igual ao seu, com leves modificações:

l-h-o-o-q-mona-lisa-with-moustache-1919E então esta pessoa passa a ganhar mais dinheiro que você, simplesmente porque pintou a Mona Lisa com um bigode. O que é que você pode fazer em relação a isso? O quadro originalmente é seu, você possui seus direitos!

Obviamente, o que alguém faria neste caso era processar o criador de um quadro desse tipo por usurpar e deturpar sua ideia. E tudo isso tem como base seus direitos.

As licenças são criadas justamente para defender os direitos do autor, sendo a mais famosa delas a licença conhecida como Copyright,cujo símbolo é conhecido no mundo todo: ©. Esta licença específica proíbe qualquer cópia ou reprodução ou derivação não autorizada de qualquer obra/trabalho/projeto registrado. E pelo mesmo caminho se guia o registro de patentes, que protegem contra a cópia/reprodução de um invento original.

Entretanto, como eu já disse, o Copyright não é o único meio de preservar um trabalho e garantir os direitos do autor. Essa licença é bastante restritiva, e existem outras que são bem mais liberais.

Eu já citei a GPL, que permite derivações e cópias do trabalho. Mas, no entanto, a GPL possui uma limitação: toda derivação ou cópia de um trabalho deve ser disponibilizada em código aberto.Se você disponibiliza algo que todo mundo possa ver, editar, criar em cima, e reproduzir livremente, não há nenhum sentido em cobrar por isso, não é? Por isso Linux é gratuito.

cc.logo.large

Agora, outra licença parecida com a GPL é a licença Creative Commons, na qual o autor escolhe o que poderá ser feito e o que não poderá ser feito com sua obra, se pode ser copiada ou não, se pode ser usada com finalidade financeira, etc. Também há a licença Copyleft,que garante que um conteúdo ou obra possa ser copiado, derivado, vendido livremente.

Enfim, existem milhares de licenças por aí, e não consigo citar todas aqui, basta fazer uma boa pesquisa.

GNU/Linux não tem vírus

blog-virus

Sim, é uma meia-verdade. A frase correta é: GNU/Linux não tem tantos vírus quanto o Windows ou Mac OS X. Muitos ainda debatem sobre isso, e dizem que GNU/Linux não tem tantos vírus porque não é amplamente utilizado, mas pode-se atribuir ao fato de não ter tantos vírus por conta de seu sistema inteligente de permissões e segurança do usuário.

Tá, mas aí você fala: “Mesmo assim, ainda não se pode afirmar isso porque o GNU/Linux não é tão utilizado!”

Não necessariamente… Sabe quais empresas no mundo utilizam o sistema pra manter seus servidores?

Saca só:

linux.jpg_big_

Aviso: tem um pinguim nessa imagem, consegue identificá-lo?

20090723121541!Wikipedia-logo-en-big

E eu tenho certeza que você acessa esses dois sites praticamente todo o dia… Eles são os sites com o maior volume de visitas do mundo… Imagina pra manter tudo rodando num servidor com Windows? E se der tela azul? Bom, fica difícil…

Afinal, se a Google usa Linux… Isso aqui também usa:

youtube-logoE eu tenho certeza que você acessa esse também!

Seu PlayStation 3? Ele roda um sistema chamado CellOS que é derivado do FreeBSD…. Não é Linux, mas o FreeBSD também é gratuito e de código aberto. (Fonte: http://en.wikipedia.org/wiki/PlayStation_3_system_software)

Quer mais? Leia esse artigo (em inglês) da Wikipédia: http://en.wikipedia.org/wiki/List_of_Linux_adopters

Ah, se você também quer saber, os maiores supercomputadores da atualidade também rodam Linux:  http://tecnoblog.net/26177/91-dos-maiores-supercomputadores-do-mundo-rodam-linux/

Mas, por que esses sites usam o pinguim então?

Bom, acontece que o GNU/Linux, por ser de código aberto, pode ter suas falhas de segurança consertadas rapidamente por qualquer programador no mundo. Isso dá mais flexibilidade. Além disso, o sistema, com o nível de segurança que é referência no mundo todo, aguenta qualquer parada, pois possui um Firewall potente, e, mesmo que alguém tente infectar a máquina com vírus ou qualquer coisa do tipo, o GNU/Linux sabe lidar com a situação, coisa que não acontece com um certo sistema da Microsoft, o sistema mais pirateado e com mais falhas de segurança no mundo todo. O que também dificulta para o vírus, é que, por ser de código aberto, o Linux permite diversas derivações de seu sistema principal, gerando as distribuições, que são, em sua essência, diferentes, comportando-se de maneira diferente em variadas marcas.

Entretanto, isso não quer dizer que o GNU/Linux seja imune a vírus. Um sistema operacional que possui base Linux desenvolvido para celular, conhecido como Android (que inclusive é o sistema operacional de celular mais usado no mundo), desenvolvido pela Google, também possui suas falhas de segurança e uma grande quantidade de vírus. Isso é devido ao uso em larga escala do sistema, e de que também o Android é uma distro única. Não se preocupe, os vírus do Android não afetam o Linux desktop por serem de plataformas diferentes, e também porque existem diversas distros Linux. Isso significa que um vírus que funciona em uma distro pode não funcionar em outra, pois, mesmo compartilhando o mesmo kernel, as distros possuem códigos diferentes.

Bom, pra PC tem muito pouco, então aproveitem agora!

É mais fácil instalar programas

De certa forma, isso é uma verdade. Enquanto no Windows você tem que ir no site, baixar um programa, executá-lo, passar por todo um processo de instalação, no Linux a maioria dos programas dos quais você necessita estão nos repositórios da distribuição e, com isso, o sistema baixa e instala automaticamente os programas que você escolher.

Também há o outro método, que você baixa arquivos .deb ou .rpm e, com apenas um clique, o programa se instala em seu computador, sem muito esforço.

Tá, mas o que são repositórios?

20110805125254Os repositórios são listas de programas filtrados pelos criadores das distribuições (diferentes versões) Linux, onde só entram os programas mais relevantes ou mais estáveis. A distribuição Debian é uma referência nesse tipo de coisa, uma vez que ela possui um repositório de mais de 200.000 programas, todos extremamente estáveis!

Agora, uma outra verdade deve ser dita: nem todos os programas disponíveis possuem instaladores em .deb ou .rpm, ou estão em repositórios. Esses programas são mais hardcores e estão comprimidos em um arquivo .tar.gz, no qual o usuário deve digitar uma série de comandos para compilá-lo sozinho, instalando todas as dependências, sem a ajuda automática do sistema.

Claro, é um sistema mais conservador de certas distribuições GNU/Linux (Slackware e Gentoo para ser mais exato), e também é destinada aos experts. Mas não se preocupem, não é sempre que vocês se depararão com algo assim…

Linux é extremamente personalizável

kde4dot3Certo, eu sei que você provavelmente não vai querer fugir do estilo de desktop mostrado acima, já que é um visual muito familiar ao que você deve estar acostumado.

windows7Mas, você não pode negar também que algumas variadas no visual do sistema podem torná-lo ainda mais agradável e confortável, dando a sensação de que você tem controle total sobre o sistema. E de fato você tem. O Linux é extremamente personalizável, pois é de código aberto, portanto tem sempre alguém criando algo novo para o sistema, seja uma interface gráfica, seja uma funcionalidade nova, um programa novo… Enfim, há sempre algo diferente para o seu sistema, e você pode alterá-lo da maneira que quiser. Claro, algumas dessas alterações requerem um certo conhecimento do sistema e de códigos, mas algumas alterações são tão simples quanto clicar em um botão.

Talvez você ache interessante deixar seu desktop assim:

Captura de tela de 2014-01-10 01:47:34Ou assim:

cinnamon-gnome-shell-forkOu assim:

Openbox-[2]Dentre tantas outras opções… Você é quem manda!

——–***————***——

Citei aqui as diferenças mais marcantes que podem causar um gigantesco impacto para os newbies. Mas se quiser você pode ir lá no site whylinuxisbetter.net e conferir outras tantas diferenças do Linux para os outros SOs.

Em breve a Parte III

Anúncios

Um comentário sobre “Sobre Linux: Parte II (Diferenças)

  1. Gostei de teu post!!!
    O universo ‘Linux’ (Utilizando o Linux como ponto de referência principal) é tão incrível quanto aparenta ser!!! Usuários que me ouvem falar do Linux ficam simplesmente maravilhados, sabe! O conceito em que foi concebido, a união internacional (que é inegável) acerca deste sistema, ainda mais quando digo sobre, SAMBA, GOLFINHO (Dolphin), NEMO, XFCE, GNOME, LXDE, KDE, PPA, ANDROID (Algumas pessoas se recusam a acreditar!!!), mas ficam fascinadas, e quando vêem pensam ser coisa doutro mundo!!! (principalmente com os efeitos do Compiz) Só os nomes de alguns softwares que citei acima, um novato neste ambiente pode ficar semanas estudando/conhecendo suas peculiaridades, histórias! Mesmo assim, um usuário não precisa conhecer tudo isso para poder utilizar um sistema baseado no Linux, pois os sistemas são funcionais e gratuitos (a grande maioria) cada um contendo uma aparência, uma suite de aplicativos, resumindo, já vem pronto para uso mesmo! e olha que nem vou falar da utilização do Kernel GNU/Linux em TVs, Servidores (como já visto no post) e em muitos outros aparelhos domésticos que vocês nem imaginam!!!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s